Concurso Público

Por que eu nunca consigo ser aprovado no concurso?

Faculdade Qualis | Dúvidas? Entramos em Contato com Você - Faculdade Qualis

Essa pergunta fica perambulando pela mente de diversos candidatos, que eu costumo nomear como “domingueiros do concurso”. Explico: esse é o tipo de candidato que simplesmente não se prepara e forma contínua; ele vaga de edital em edital, esperando encontrar uma prova mais simples, cujo conteúdo coincida com aquilo que ele vinha “estudando” ao longo de sua vida. A cada dia que passa, essa probabilidade fica cada vez menor.

Vou listar aqui 5 erros que impedem a sua aprovação:

  1. Você não tem uma rotina de estudos

Quando o cidadão é domingueiro de concurso, não se preocupa com ler o edital, saber as datas de provas, observar retificações ou mesmo entender como se dá o processo de avaliação dos candidatos. Sim, eu já encontrei aluno que foi prestar um concurso do Cebraspe sem saber que uma errada anulava uma certa. Pois é, esse tipo de pessoa fica devendo nota para a banca examinadora. Para evitar esse tipo de conduta, adote uma rotina de estudos: divida as matérias do seu edital de acordo com o seu tempo, considere mais tempo para as matérias mais desafiadoras. Pense que o estudo só traz resultados se for consistente, ou seja, não adianta estudar 6 horas hoje, mas não estudar mais nada até o fim da semana.

2. Você não tem um objetivo definido

Policial? Fiscal? Administrativo? Tribunal? Bancário? Se você ainda não pensou nesses termos, já sabe que está perdendo tempo. Por quê? Porque a preparação deve levar em conta a carreira que você pretende seguir. Isso impacta profundamente em sua preparação, afinal há conteúdos mais cobrados em umas áreas e não em outras. Pode haver teste físico, e isso já é outro tipo de preparação. Saber para onde se pretende ir é um passo fundamental para caminhar na direção certa.

3. Você não estuda conteúdo de base

Talvez, o erro mais comum esteja aqui. O candidato que começa estudar vai com aquele sede de aprender todos os conteúdos específicos, com os quais nunca lidou. Faz isso sem saber que o que passa ou reprova o cidadão está na parte de “conhecimentos básicos”. Pela minha experiência, posso dizer com tranquilidade: língua portuguesa é o assunto mais importante para ser aprovado em concursos públicos.

4. Você não resolve questões

Estudar teoria é importante, mas praticar é mais importante ainda. Entenda que você vai até a prova para resolver questões, não para dar uma aula. Dessa forma, é fundamental que você conheça o perfil da banca examinadora. E isso só será possível se você resolver muitas e muitas questões.

5. Você não divide seu tempo.

A divisão do tempo é fundamental para manter a sanidade enquanto se estuda para passar em um concurso. Não estou falando aqui de tempo de estudo. Estou falando sobre divisão entre tempo de estudar e tempo para viver o resto dos elementos de sua vida. Não se passa em concurso com a mente desgastada. Você precisa saber separar um tempo para os amigos, para a família, para um pequeno lazer, enquanto faz a gestão de seus estudos. Isso permite ficar estudando em um prazo longo, sem que você sinta que está deixando sua vida para trás.

Padrão
dicas de portugues

5 palavras que vão “bugar” a sua mente

Existem palavras na Língua Portuguesa que desafiam os falantes. Algumas exigem memorização, principalmente quando o assunto é relativo ao gênero gramatical da palavras. Neste artigo, eu vou apresentar para você 5 palavras que vão bugar a sua mente. Essas mesmas palavras são as mais comuns nas pegadinhas de provas.

  1. Alface

Muita gente manda na trave o gênero da palavra, mas é importante que você sabia que essa é uma palavra FEMININA, ou seja, a forma correta é a alface. Pablo, mas é o pé de alface. Masculino é o pé, não a alface.

2. Omoplata

Uma pegadinha comum é o gênero da palavra omoplata. Sim, era o nome antigo da nossa escápula e o gênero é feminino. Ou seja, você deve dizer a omoplata.

3. Cal

Sim, trata-se de outra palavra feminina. Por mais que as pessoas queiram dizer “o cal”, a forma correta é “a cal“. Tanto que você lê no saquinho “cal hidratada”.

4. Dó

No sentido de pena, o substantivo que designa esse sentimento é masculino, ou seja, a forma correta é o dó, um dozinho, um dó de alguém.

5. Mascote

Está aí outra palavra que vira uma pedra no sapato da galera. O gênero da palavra “mascote” não depende do bichinho. Trata-se de uma palavra feminina, ou seja, a forma correta é a mascote.

Gostou dessas explicações, confira então isso e muito mais lá no meu canal do YouTube.

Se você gostou muito desse artigo, experimente ler o meu livro, clicando no link a seguir: https://www.pablojamilk.com.br/ebook-cap/

Padrão
Notíciais

SAIU O EDITAL DA PM MG! 1.653 VAGAS E SALÁRIO INICIAL DE MAIS DE R$ 3,9 MIL

Acaba de ser publicado o edital da PC MG são 1.653 vagas para Soldados do Quadro de Praças da Polícia Militar com vencimento inicial de mais de R$ 3,9 mil!!!

Atenção! Acaba de ser publicado nessa quinta-feira (10/06), no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais, o edital para o concurso de Soldado da Polícia Militar de Minas Gerais (PM MG). São 1.653 vagas com vencimento inicial de mais de R$3,9 mil, o certame fica a cargo do Centro de Recrutamento de Seleção PM/MG (CRS).

Das Inscrições

Período de inscrição se inicia no do dia 14 de junho de 2021 e vai até o dia 14 de julho de 2021, o valor de inscrição no concurso é R$92,62 e deverá ser pago pelo candidato até a data limite de 15 de julho de 2021.

Requisitos de Investidura

De acordo com o edital publicado do concurso PMMG, os requisitos básicos de ingresso na Polícia Militar mineira são os seguintes:

  • ser brasileiro(a);
  • possuir nível superior de escolaridade;
  • estar quite com as obrigações eleitorais e militares;
  • ter entre 18 (dezoito) e 30 (trinta) anos de idade;
  • possuir idoneidade moral;
  • ter altura mínima de 1,60m (um metro e sessenta centímetros);
  • ter sanidade física e mental;
  • ter aptidão física;
  • ser aprovado em avaliação psicológica;
  • não apresentar, quando em uso dos diversos uniformes, tatuagem visível que seja, por seu significado, incompatível com o exercício das atividades de policial militar;
  • não ter sido exonerado ou demitido da PMMG, de outra instituição militar estadual ou das Forças Armadas; não ter dado baixa no conceito “C” nos termos do Código de Ética e Disciplina dos Militares do Estado de Minas Gerais.

Como se nota, pelo menos três dos itens acima têm critérios bem rígidos e inflexíveis. O limite de 30 anos para o ingresso, a altura mínima de 1,60m e uso de tatuagens visíveis incompatíveis com as atribuições do cargo.

O que é uma tatuagem visível incompatível com o cargo: uma folha de maconha, uma tatuagem associada a grupos criminosos, tatuagens com símbolos sabidamente contrários à polícia.

Atribuições

Cabe aos Soldados de 1ª Classe da PMMG na qualidade de servidor policial:

Atividades Operacionais: atender ocorrências; realizar abordagens de indivíduos e de veículos em atitudes suspeitas; realizar policiamento ostensivo; realizar policiamento preventivo; realizar policiamento repressivo; efetuar prisão em flagrante; executar operações policiais; cumprir mandados judiciais (busca e apreensão, foragido, prisão etc.); dentre outras.

Atividades Administrativas: confeccionar relatórios; participar de solenidades cívico-militares; ministrar palestras e/ou treinamentos; participar de treinamentos; dentre outras.

Das Etapas do Concurso

O concurso consiste em 02 (duas) fases:

a) 1ª FASE: Provas de conhecimentos (prova objetiva).

b) 2ª FASE: Avaliações Psicológicas e Avaliação Física Militar (AFM)

Provas de Conhecimentos Objetiva

A PROVA OBJETIVA é de caráter eliminatório e classificatório, terá valor total de 100 (cem) pontos e conterá 40 (quarenta) questões de múltipla escolha, contendo cada questão 04 (quatro) alternativas de resposta, devendo ser marcada apenas 01 (uma) delas, no valor de 2,5 (dois vírgula cinco) pontos cada questão, podendo haver a interdisciplinaridade entre as matérias previstas no edital, estando o conteúdo assim distribuído:

  • 10 (dez) questões de Língua Portuguesa, incluindo estudo e interpretação de texto;
  • 06 (seis) questões de Direito Penal;
  • 06 (seis) questões de Direito Constitucional;
  • 06 (seis) questões de Direito Penal Militar;
  • 04 (quatro) questões de Estatística;
  • 04 (quatro) questões de Direitos Humanos;
  • 04 (quatro) questões de Legislação Extravagante.

Conteúdo programático:

1 LÍNGUA PORTUGUESA

1.1 Adequação conceitual. 1.2 Pertinência, relevância e articulação dos argumentos. 1.3 Seleção vocabular. 1.4 Estudo de texto (questões objetivas sobre textos de conteúdo literário ou informativo oucrônica). 1.5 Tipologia textual e Gêneros textuais. 1.6 Ortografia. 1.7 Acentuação gráfica. 1.8 Pontuação. 1.9 Estrutura e formação de palavras. 1.10 Classes de palavras. 1.11 Frase, oração e período. 1.12 Termos da oração. 1.13 Período composto por coordenação e subordinação. 1.14 Funções sintáticas dos pronomes relativos. 1.15 Emprego de nomes e pronomes. 1.16 Emprego de tempos e modos verbais. 1.17 Regência verbal e nominal (crase). 1.18 Concordância verbal e nominal. 1.19 Orações reduzidas. 1.20 Colocação pronominal. 1.21 Estilística. 1.22 Figuras de linguagem.

2 DIREITO PENAL

2.1 Decreto-Lei nº 2848, de 07 de setembro de 1940 – Código Penal Brasileiro: Parte Geral: Título I: Aplicação da Lei Penal. Título II: do Crime. Título III: da Imputabilidade Penal. Título IV: do Concurso de Pessoas. Título V: das Penas: Capítulo I: das Espécies de Pena; Capítulo II: da Cominação das Penas; Capítulo III: da Aplicação da Pena. Título VI: das Medidas de Segurança. Título VIII: da Extinção da Punibilidade. Parte Especial: Título I: dos Crimes Contra a Pessoa. Título II: dos Crimes Contra o patrimônio. Título VI: dos Crimes Contra a Dignidade Sexual: Capítulo I: dos Crimes Contra a Liberdade Sexual; Capítulo IA: da Exposição da Intimidade Sexual; Capítulo II: dos Crimes Sexuais Contra Vulnerável. Título X: dos Crimes Contra a Fé Pública: Capítulo V: das Fraudes em Certames de Interesse Público. Título XI: dos Crimes Contra a Administração Pública: Capítulo II: dos Crimes Praticados por Particular Contra a Administração em Geral; Capítulo II-B: dos Crimes em Licitações e Contratos Administrativos.

3 DIREITO CONSTITUCIONAL

3.1 Constituição da República Federativa do Brasil: Título I: Dos Princípios Fundamentais; Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais: Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos; Capítulo III: da Nacionalidade; Capítulo IV: dos Direitos Políticos; Título III: Da Organização do Estado: Capítulo VII: Da Administração Pública: Seção I: Disposições Gerais; Seção III: Dos Militares dos  Estados, Do Distrito Federal e dos Territórios; Título IV: Da Organização dos Poderes: Capítulo III: Do Poder Judiciário: Seção VII: Dos Tribunais e Juízes Militares; Seção VIII: Dos Tribunais e Juízes dos Estados; Título V: Da Defesa do Estado e Das Instituições Democráticas: Capítulo II: Das Forças Armadas; Capítulo III: Da Segurança Pública.

4 DIREITO PENAL MILITAR

4.1 Decreto-Lei nº 1001, de 21 de outubro de 1969 – Código Penal Militar: Parte Geral: Título I: da Aplicação da Lei Penal Militar. Título II: do Crime. Título IV: do Concurso de Agentes. Título V: das Penas: Capítulo I: das Penas Principais; Capítulo V: das Penas Acessórias. Título VII: da Ação Penal. Título VIII: da Extinção da Punibilidade. Parte Especial: Livro I: dos Crimes Militares em Tempo de Paz: Título II: dos Crimes Contra a Autoridade ou Disciplina Militar: Capítulo I: do Motim e da Revolta; Capítulo II: da Aliciação e do Incitamento; Capítulo III: da Violência Contra Superior ou Militar de Serviço; Capítulo IV: do Desrespeito a Superior e a Símbolo Nacional ou à Farda; Capítulo V: da Insubordinação; Capítulo VII: da Resistência. Título III: dos Crimes Contra o Serviço Militar e o Dever Militar: Capítulo II: Deserção; Capítulo III: do Abandono de Posto e de Outros Crimes em Serviço. Título IV: dos Crimes Contra a Pessoa: Capítulo I: do Homicídio; Capítulo III: da Lesão Corporal e da Rixa; Capítulo IV: da Periclitação da Vida ou da Saúde; Capítulo VI: dos crimes Contra a Liberdade: Seção I: dos Crimes Contra a Liberdade Individual; Seção II; dos Crimes Contra a Inviolabilidade do Domicílio; Seção IV: dos Crimes Contra a Inviolabilidade dos Segredos de Caráter Particular. Título VII: dos Crimes Contra a Administração Militar: Capítulo I: do Desacato e da Desobediência; Capítulo II: do Peculato; Capitulo III: da Concussão, Excesso de Exação e Desvio; Capítulo IV: da Corrupção; Capítulo V: da Falsidade; Capítulo VI: dos Crimes Contra o Dever Funcional.

5 DIREITOS HUMANOS

5.1 Declaração Universal dos Direitos Humanos – adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. 5.2 Convenção Americana sobre Direitos Humanos – assinada na Conferência Especializada Interamericana sobre Direitos Humanos (San Jose da Costa Rica), em 22 de novembro de 1969.

6 LEGISLAÇÃO EXTRAVAGANTE

6.1 Lei nº 10.826, de 22/12/2003 – Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas – Sinarm, define crimes e dá outras providências. 6.2 Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 – Dispõe sobre Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências: Título I: Disposições Preliminares. Título II: dos Direitos Fundamentais: Capítulo I: do Direito à Vida e à Saúde; Capítulo II: do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade. Capítulo III: do Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Seção I: Disposições Gerais. Parte Especial: Título III: da Prática de Ato Infracional. Título VI: do Acesso à Justiça: Capítulo III: dos Procedimentos: Seção V: da Apuração de Ato Infracional Atribuído a Adolescente; Seção V-A: da Infiltração de Agentes de Polícia para a Investigação de Crimes Contra a Dignidade Sexual de Criança e de Adolescente. Título VII: dos Crimes e das Infrações Administrativas (até o art. 258-C). 6.3 Lei nº 9.099, de 26/09/1995 – Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais e dá outras Providências. 6.4 Lei nº 11.343, de 23/08/2006 – Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. 6.5 Lei Estadual nº 14.310, de 19/06/2002 – Dispõe sobre o Código de Ética de Disciplina dos Militares do Estado de Minas Gerais. 6.6 Lei nº 13.869, de 15/09/2019 – Dispõe sobre os crimes de abuso de autoridade; altera a Lei nº 7.960, de 21/12/1989, a Lei nº 9.296, de 24/07/1996, a Lei nº 8.069, de 13/07/1990, e a Lei nº 8.906, de 04/07/1994; e revoga a Lei nº 4.898, de 09/12/1965, e dispositivos do Decreto-Lei nº 2.848, de 07/12/1940 (Código Penal). 6.7 Lei nº 8.072, de 25/07/1990 – Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º , inc. XLIII, da Constituição Federal, e determina outras providências. 6.8 Lei nº 11.340, de 07/08/2006 – Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências: Título I: Disposições Preliminares. Título II: da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. Título III: da Assistência à Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar: Capítulo III: do Atendimento pela Autoridade Policial. Título IV: dos Procedimentos: Capítulo II: das Medidas Protetivas de Urgência: Seção II: das Medidas Protetivas de Urgência que Obrigam o Agressor; Seção III: das Medidas Protetivas de Urgência à Ofendida. Título VII: Disposições Finais. 6.9 Lei nº 9.455, de 07/04/1997 – Define os Crimes de Tortura e dá Outras Providências. 6.10 Decreto-Lei nº 4.657, de 04/09/1942 – Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro.

7 ESTATÍSTICA

7.1 Visão Conceitual Básica: População, Universo, Amostragem, Amostra, Senso, Experimento Aleatório, Método Estatístico. 7.2 Variáveis Quantitativas e Qualitativas. 7.3 Medidas de Tendência Central: Média, Mediana, Moda. 7.4 Medidas de Dispersão: Amplitude, Variância, Desvio Padrão. 7.5 Análise e Interpretação Matemática de Gráficos, Tabelas e Diagramas estatísticos.

Locais de prova

As provas objetivas serão aplicadas nos seguintes municípios:

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA

As avaliações psicológicas, de caráter eliminatório, poderão ser realizadas em Belo Horizonte ou outras cidades da Região Metropolitana, por clínicas psicológicas credenciadas e supervisionadas pela PMMG, as quais serão divulgadas aos candidatos no ato da convocação para a realização dos exames, o candidato pode ser considerado, segundo parecer técnico, APTO ou INAPTO, e as avaliações psicológicas serão custeadas pelos candidatos.

AVALIAÇÃO FÍSICA

A Avaliação Física Militar (AFM) é composta de Avaliação Médica (AM)/Controle Fisiológico (CF) e do Teste de Capacitação Física (TCF). O TCF terá caráter eliminatório e classificatório, devendo o candidato alcançar o mínimo de 60% (sessenta por cento) de rendimento em cada modalidade (12 pontos) para aprovação, conforme tabelas a seguir, aplicáveis a todos os candidatos:

Força de resistência abdominal (abdominal tipo remador):

Força de resistência de braços na barra fixa (flexão estática e dinâmica na barra fixa):

Resistência cardiorrespiratória (corrida de 2.400 metros):

concurso

ÓRGÃO: Polícia Militar de Minas Gerais (PM MG)

ESTADO: Minas Gerais

CARGO: Soldado da Polícia Militar

VAGAS: 1.653

STATUS: Edital Aberto

ESCOLARIDADE: Nível superior

REMUNERAÇÃO: Inicial de 3.962,23 (três mil, novecentos e sessenta e dois reais e vinte e três centavos),

BANCA: Centro de Recrutamento de Seleção PM/MG (CRS)

INSCRIÇÃO: De 14 de junho de 2021 a 14 de julho de 2021

TAXA DE INSCRIÇÃO: R$92,62 (noventa e dois reais e sessenta e dois centavos)

PROVA: 15/08/2021

FORMATO: Múltipla Escolha (A,B,C,D)

EDITAL

Padrão
Uncategorized

Carioca ou Fluminense?

Salve, meu povo! Hoje eu trarei um conteúdo deveras interessante. Um pouco de etimologia, na verdade. Falarei sobre a origem dos termos Fluminense e Carioca.

Bem, esses dois termos são os gentílicos (adjetivo relativo à origem de alguém) que vemos pululando por aí quando o assunto é o Rio de Janeiro, o estado ou a cidade.

Usa-se a palavra Carioca para designar quem é nascido na capital do estado, ou seja, na cidade do Rio de Janeiro. Já, para aqueles que não são nascidos na capital, o gentílico que designa o estado é Fluminense.

Em outras palavras, todos carioca é fluminense, mas nem todo fluminense é carioca. Entendeu?

Para você descobrir a etimologia das duas palavras, assista ao meu vídeo sobre o assunto!

Padrão
Uncategorized

10 livros para você viajar o mundo!

1. HAMLET (Willian Shakespeare)

Trata-se de uma tragédia, onde um jovem príncipe busca vingar a morte de seu pai. É permeada por diversos conflitos psicológicos e com extrema densidade dos personagens. Aliás, se você gosta de série e literatura, saiba que a séria “Sons of Anarchy” foi inspirada nesta obra de Shakespeare.


2. ODISSEIA (Homero)

Representando a literatura clássica, Odisseia é uma obra riquíssima culturalmente. Ela conta a história de Ulisses, o rei de Ítaca (pequena ilha na região da Grécia antiga), que após ter combatido na guerra de Troia, acaba sendo amaldiçoado pelos deuses por desafiar a sua força, a sua potência. Deste modo, Ulisses é obrigado a lutar contra os deuses que representam os elementos da natureza para poder, enfim, regressar a ilha de Ítaca e rever sua esposa e seu filho. Grandiosa obra, tendo sido adaptada para cinema e que, inclusive, teve como protagonista o ator Armand Assant, no papel de Ulisses.


3. DOM QUIXOTE DE LA MANCHA (Miguel de Cervantes Saavedra)

Possivelmente a representação literária mais conhecida da Espanha é esta obra. A história de Dom Quixote retrata a jornada de um fidalgo enlouquecido que começa a recriar o mundo, a sua maneira, junto de seu companheiro sancho pança. Obra super recomendada!


4. OS MISERÁVEIS (Victor Hugo)

Escrita pelo autor francês Victor Hugo, a obra é densa e de cunho político do próprio autor, retratando a desigualdade social, que expõe a história de um condenado (Jean Valjean) que foi posto em liberdade. Este livro teve adaptação para o cinema “Les Misérables (2012)” tendo como personagem principal o ator Hugh Jackman como Jean Valjean, Russell Crowe como o Inspetor Javert e Anne Hathaway como Fantine.


5. CRIME E CASTIGO (Fiódor Dostoiévski)

Crime e Castigo é um romance publicado em 1866, é uma obra densamente existencialista que discute elementos como: homicídio, drama psicológico, e niilismo. O nome é altamente sugestivo, qual será o castigo para esse crime? Sem spoilers, leia e descubra!


6. POR QUEM OS SINOS DOBRAM (Ernest Hemingway)

Romance de 1940, escrita pelo autor norte-americano Ernest Hemingway, e que narra a história de Robert Jordan, um jovem norte-americano das Brigadas Internacionais. Professor de espanhol que se tornou conhecedor do uso de explosivos, Jordan recebe a missão de explodir uma ponte por ocasião de um ataque simultâneo à cidade de Segóvia.

Uma curiosidade: A banda Metallica fez uma canção inspirada neste livro, que inclusive, traz o mesmo nome do livro “For Whom the Bell Tolls“.


7. GRANDE SERTÃO VEREDAS (João Guimarães Rosa)

Entre as obras brasileiras mais conhecidas, um destaque especial se dá para Grande Sertão Veredas, obra de Guimarães Rosa, publicada em 1956, que narra a vida de alguns homens no cangaço. Uma mistura de misticismo, amor, preconceito, existencialismo, e conflitos internos. Leitura super recomendável!


8. UMA QUESTÃO PESSOAL (Kenzaburo Oe)

O autor japonês Kenzaburo Oe, traz a tona um assunto delicado e que foi inspirado em um episódio real da vida do autor, o nascimento do primeiro filho. A criança veio ao mundo com sérios problemas cerebrais. A partir desse fato, o autor criou um romance semi-autobiográfico no qual o protagonista, um professor de inglês, se questiona sobre o que realmente deseja para seu filho. O autor a partir de sua experiência pessoal constrói uma das narrativas mais dramáticas do século XX.


9. O PERFUME (Patrick Suskind)

Uma obra de origem alemã, publicada em 1985, e que teve 15 milhões de exemplares vendidos em quarenta línguas. O perfume conta a história de um jovem com uma peculiaridade relacionada ao olfato, e que considera o cheiro a essência das pessoas. Diante disto, ele decide criar o perfume perfeito. O livro teve uma adaptação para o cinema em 2006 pelo diretor alemão Tom Tywer (Corra, Lola, Corra).


10. O PRIMO BASÍLIO (Eça de Queiroz)

O Primo Basílio” narra a história de amor entre o casal Jorge e Luísa, e a infidelidade da esposa com seu primo, Brasílio. A obra de Eça de Queiroz, publicada em 1878, consiste na análise da família burguesa da época e faz parte dos clássicos da literatura portuguesa.


Estas obras estão resumidas neste vídeo, confira:

Boa viagem, guerreiro!

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

Classes de palavras: Artigo

Artigo

Artigo é a palavra que define ou indefine um substantivo, particularizando-o.

Classificação: os artigos podem ser:

Definidos: definem um referente na sentença. São eles: o, a, os, as.

Indefinidos: indefinem um referente na sentença. São eles: um, uma, uns, umas.

Emprego dos artigos:

a) Definição de termo:

Chamem o aluno. (Provavelmente, esse aluno já foi mencionado no texto)

b) Indefinição de termo:

Chamem um aluno. (Nesse caso, é indiferente o aluno. Provavelmente não fora mencionado na sentença)

c) Generalização de termo:

Aluno deve estudar. (Veja que o artigo não foi empregado, ou seja, fala-se a respeito de toda a categoria “aluno”)

d) Substantivar termo:

O cantar / Um não. (Perceba que, nesse caso, o artigo transformou as palavras “cantar” e “não” (verbo e advérbio) em substantivos. A esse processo, dá-se o nome de derivação imprópria).

e) Destaque de termo:

João é “o” médico. (Nessa sentença, faz-se um tipo de destaque, como fosse uma questão de ênfase do elemento que sucede o artigo)

f) Uso com o pronome “todo”:

  • Esse é um problema em todo país. (Conjunto dos países)
  • Esse é um problema em todo o país. (O país em sua totalidade)

Note a mudança de sentido proveniente do emprego do artigo.

Padrão