Concurso Público

Por que eu nunca consigo ser aprovado no concurso?

Faculdade Qualis | Dúvidas? Entramos em Contato com Você - Faculdade Qualis

Essa pergunta fica perambulando pela mente de diversos candidatos, que eu costumo nomear como “domingueiros do concurso”. Explico: esse é o tipo de candidato que simplesmente não se prepara e forma contínua; ele vaga de edital em edital, esperando encontrar uma prova mais simples, cujo conteúdo coincida com aquilo que ele vinha “estudando” ao longo de sua vida. A cada dia que passa, essa probabilidade fica cada vez menor.

Vou listar aqui 5 erros que impedem a sua aprovação:

  1. Você não tem uma rotina de estudos

Quando o cidadão é domingueiro de concurso, não se preocupa com ler o edital, saber as datas de provas, observar retificações ou mesmo entender como se dá o processo de avaliação dos candidatos. Sim, eu já encontrei aluno que foi prestar um concurso do Cebraspe sem saber que uma errada anulava uma certa. Pois é, esse tipo de pessoa fica devendo nota para a banca examinadora. Para evitar esse tipo de conduta, adote uma rotina de estudos: divida as matérias do seu edital de acordo com o seu tempo, considere mais tempo para as matérias mais desafiadoras. Pense que o estudo só traz resultados se for consistente, ou seja, não adianta estudar 6 horas hoje, mas não estudar mais nada até o fim da semana.

2. Você não tem um objetivo definido

Policial? Fiscal? Administrativo? Tribunal? Bancário? Se você ainda não pensou nesses termos, já sabe que está perdendo tempo. Por quê? Porque a preparação deve levar em conta a carreira que você pretende seguir. Isso impacta profundamente em sua preparação, afinal há conteúdos mais cobrados em umas áreas e não em outras. Pode haver teste físico, e isso já é outro tipo de preparação. Saber para onde se pretende ir é um passo fundamental para caminhar na direção certa.

3. Você não estuda conteúdo de base

Talvez, o erro mais comum esteja aqui. O candidato que começa estudar vai com aquele sede de aprender todos os conteúdos específicos, com os quais nunca lidou. Faz isso sem saber que o que passa ou reprova o cidadão está na parte de “conhecimentos básicos”. Pela minha experiência, posso dizer com tranquilidade: língua portuguesa é o assunto mais importante para ser aprovado em concursos públicos.

4. Você não resolve questões

Estudar teoria é importante, mas praticar é mais importante ainda. Entenda que você vai até a prova para resolver questões, não para dar uma aula. Dessa forma, é fundamental que você conheça o perfil da banca examinadora. E isso só será possível se você resolver muitas e muitas questões.

5. Você não divide seu tempo.

A divisão do tempo é fundamental para manter a sanidade enquanto se estuda para passar em um concurso. Não estou falando aqui de tempo de estudo. Estou falando sobre divisão entre tempo de estudar e tempo para viver o resto dos elementos de sua vida. Não se passa em concurso com a mente desgastada. Você precisa saber separar um tempo para os amigos, para a família, para um pequeno lazer, enquanto faz a gestão de seus estudos. Isso permite ficar estudando em um prazo longo, sem que você sinta que está deixando sua vida para trás.

Padrão
Uncategorized

Carioca ou Fluminense?

Salve, meu povo! Hoje eu trarei um conteúdo deveras interessante. Um pouco de etimologia, na verdade. Falarei sobre a origem dos termos Fluminense e Carioca.

Bem, esses dois termos são os gentílicos (adjetivo relativo à origem de alguém) que vemos pululando por aí quando o assunto é o Rio de Janeiro, o estado ou a cidade.

Usa-se a palavra Carioca para designar quem é nascido na capital do estado, ou seja, na cidade do Rio de Janeiro. Já, para aqueles que não são nascidos na capital, o gentílico que designa o estado é Fluminense.

Em outras palavras, todos carioca é fluminense, mas nem todo fluminense é carioca. Entendeu?

Para você descobrir a etimologia das duas palavras, assista ao meu vídeo sobre o assunto!

Padrão
dicas de portugues

5 palavras que vão “bugar” a sua mente

Existem palavras na Língua Portuguesa que desafiam os falantes. Algumas exigem memorização, principalmente quando o assunto é relativo ao gênero gramatical da palavras. Neste artigo, eu vou apresentar para você 5 palavras que vão bugar a sua mente. Essas mesmas palavras são as mais comuns nas pegadinhas de provas.

  1. Alface

Muita gente manda na trave o gênero da palavra, mas é importante que você sabia que essa é uma palavra FEMININA, ou seja, a forma correta é a alface. Pablo, mas é o pé de alface. Masculino é o pé, não a alface.

2. Omoplata

Uma pegadinha comum é o gênero da palavra omoplata. Sim, era o nome antigo da nossa escápula e o gênero é feminino. Ou seja, você deve dizer a omoplata.

3. Cal

Sim, trata-se de outra palavra feminina. Por mais que as pessoas queiram dizer “o cal”, a forma correta é “a cal“. Tanto que você lê no saquinho “cal hidratada”.

4. Dó

No sentido de pena, o substantivo que designa esse sentimento é masculino, ou seja, a forma correta é o dó, um dozinho, um dó de alguém.

5. Mascote

Está aí outra palavra que vira uma pedra no sapato da galera. O gênero da palavra “mascote” não depende do bichinho. Trata-se de uma palavra feminina, ou seja, a forma correta é a mascote.

Gostou dessas explicações, confira então isso e muito mais lá no meu canal do YouTube.

Se você gostou muito desse artigo, experimente ler o meu livro, clicando no link a seguir: https://www.pablojamilk.com.br/ebook-cap/

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

Como aprender Português?

Tomar-decisões

Parte 1: da preparação

1. Língua Portuguesa: de ponto fraco a arma de batalha.

 

Eu não conheço disciplina que seja maior alvo de reclamação do que
Língua Portuguesa. O sofrimento é constante, a reclamação é constante,
os erros são constantes e constante também e a frustração.
Você, se for concurseiro de longa data, já deve ter se deparado com
uma situação muito frequente: comprou uns dez cursos, viu diversos
estilos de aula, sentiu-se preparado; mas – na hora de resolver as
questões – ficou tão puto que quis jogar tudo para o alto e nunca mais
estudar. Pois é, já vi essa cena inúmeras vezes; já falei com inúmeros
alunos sobre isso: sempre o mesmo relato.
Isso nos leva à ideia de que a matéria de Língua Portuguesa tem se
tornado – ao longo dos anos – uma grande “pedra no sapato” dos
concurseiros. Trata-se de um fato com explicação para sua origem. Na
realidade, o cerne desses problemas está nos cursos de Letras em grande
parte do nosso país – afirmo isso por causa da minha formação. Uma das
frases mais comuns que se ouve nesses cursos é “Gramática é coisa do
passado, ninguém mais tem que saber esse tipo de coisa”. Com isso, os
professores que se formam lá – e que provavelmente lecionarão para
você e para seus filhos – internalizam esse tipo de conhecimento. Tempo
depois, caem na sala de aula e passam muito tempo tentando descobrir
o que ensinar; muitos apenas se dedicam a preencher o diário de classe.

O primeiro passo para você transformar sua dificuldade em sua
maior arma é entender que alguém já conseguiu fazer isso. Veja bem:
alguém já gabaritou uma prova de Língua Portuguesa, logo não há razão
alguma no mundo que torne isso impossível para você. Pense sempre
assim: se alguém já conseguiu fazer, eu também consigo!
Parece até que estou escrevendo um daqueles livros de autoajuda,
mas não é bem isso. Estou tentando mostrar que a perspectiva é
fundamental para conhecer o trabalho que se desdobra à sua frente.
Depois de seguir os passos do curso que ora está estudando, faça uma
avaliação das provas que resolveu: resolva novamente, comente as
questões, discuta com colegas a respeito dos assuntos. Será possível
identificar qual foi o ponto inicial da sua evolução. Uma questão a mais
já é uma vitória; um comando de questão cujo assunto você conseguiu
compreender já é um sinal de evolução.
É preciso insistir nesse trabalho até que você escolha resolver a prova
de Língua Portuguesa por primeiro no seu concurso. Ela deve ser o seu
instrumento para ganhar tempo na resolução, enquanto seus
concorrentes estão arrancando os cabelos na hora da prova. Na
realidade, os concorrentes têm apenas uma coisa mais do que você: eles
têm mais é que se lascar!

Inscreva-se no blog para continuar recebendo os posts constantemente!

Potencialize seus estudos! Venha para o Método Jamilk!

Padrão
Uncategorized

Rico e piedoso?

Não te fies da riqueza ou da piedade dos homens pelo aspecto com que se apresentam nos domingos.

Benjamin Franklin

 

Resultado de imagem para rico e piedoso

 

            Muita gente é especialista em simular bondade ou riqueza, principalmente quando há uma câmera ligada com o foco sobre si. Esses são os marqueteiros da comiseração. Nada há de errado em mostrar a prática do bem, mas é de se desconfiar quando o fazem para benefício próprio.

            O sábio não clama para si a sabedoria, assim como o bom não clama para si a bondade: ele a pratica sempre que pode, sempre que entende ser necessário.

            O mesmo se dá com a riqueza: quem é verdadeiramente rico administra sua fortuna de maneira quieta. Sem ostentação, porque ela é o maior sinal de que há algo de errado com o espírito.

            Certa vez, um parceiro de negócios me disse uma frase de cujo conteúdo nunca esqueci: cofre cheio não faz barulho!

 

Pablo Jamilk

Padrão
Uncategorized

PARE DE DAR DESCULPAS

Resultado de imagem para dar desculpas

 

Pessoas que são boas em arranjar desculpas raramente são boas em qualquer outra coisa.

Benjamin Franklin

 

Você já encontrou aquela pessoa que sempre consegue encontrar algum subterfúgio pelo qual não conseguiu realizar alguma tarefa? É sempre “a correria” que impede o cidadão de terminar aquilo que começou ou de realizar aquilo a que se propôs um dia. Pois é, talvez você seja esse indivíduo.

Em um mundo pós-digital como o em que vivemos, ninguém liga para as suas razões, tampouco para as suas desculpas. Aparentemente, o mundo vive de resultados. Isso é o que podemos ver pelas mídias sociais: é o resultado da foto, o resultado do vídeo, o resultado da enquete, o resultado das férias, o resultado de quem nós conseguimos ser, o resultado da dieta. Tudo é resultado!

Feliz ou infelizmente, acabamos nos medindo pelo próprio resultado. E, no afã de conseguir finalizar alguma coisa e mostrar o menor resultado que seja, abraçamos milhares de afazeres e compromissos dois quais sabemos que será muito difícil dar conta. E por quê? Você já parou para pensar que você é o único ser a quem deve prestar qualquer tipo de esclarecimento? O julgamento não está nos olhos da sociedade, mas nos seus olhos refletidos no olhar da sociedade.

Diminua o ritmo, assim você diminui a necessidade de dar desculpas. Pare de tentar justificar ao mundo quem você é ou o que você faz e comece a justificar a si mesmo a razão de você fazer ou deixar de fazer algo. Preste contas a si, e a ninguém mais!

 

Pablo Jamilk

Padrão