Como aprender Língua Portuguesa

O que eu devo saber sobre substantivo?

Substantivo

Define-se substantivo como a palavra variável que nomeia seres, conceitos, sentimentos ou ações presentes na língua. Apesar de ser uma classe cujas questões diretamente relacionadas não são tão frequentes, é necessário conhecer o conteúdo para poder estudar sintaxe corretamente.  Podemos classificar os substantivos da seguinte maneira.

  1. Quanto à existência:
    1. Concreto (substantivo que possui existência própria no mundo real ou fantasioso): pessoa, casa, fada, Deus, carro.
    1. Abstrato (substantivo que designa um sentimento ou um conceito): vingança, amor, caridade.
  2. Quanto à designação:
    1. Próprio (designa um ser da espécie e é grafado com a inicial maiúscula): João, Jonas, Fundação José Clemente.
    1. Comum (designa uma espécie) : homem, dia, empresa.
  3. Quanto à composição:
    1. Simples (apresenta apenas uma raiz): roupa, casa, sol.
    1. Composto (apresenta mais de uma raiz): guarda-roupas, passatempo, girassol.
  4. Quanto à derivação:
    1. Primitivo (sem processo de derivação): motor, dente, flor.
    1. Derivado (apresenta algum processo de derivação – prefixação, sufixação, parassíntese etc.): mocidade, motorista, dentista.
  5. Como partitivos (quando indicam alguma parte): gole, punhado, maioria, minoria.
  6. Como coletivos[1] (quando indicam a coleção de algo): enxame (de abelhas), vara (de porcos), corja (de bandidos), esquadrilha (de aviões), esquadra (de navios).

Os substantivos próprios são sempre concretos e devem ser grafados com iniciais maiúsculas. Porém, alguns substantivos próprios podem vir a se tornar comuns, pelo processo de derivação imprópria que, geralmente, ocorre pela anteposição de um artigo e a grafia do substantivo com letra minúscula. (um judas, para designar um indivíduo traidor / um panamá, para citar o exemplo do chapéu que possui esse estilo).


As flexões dos substantivos podem se dar em gênero, número e grau.

  1. Gênero dos substantivos

A distinção de gênero dos substantivos está articulada sob as noções de masculino e de feminino. Desse modo,  os substantivos podem ser classificados como:

  • Biformes: são aqueles que apresentam uma forma para o masculino e outra para o feminino. Existe uma distinção entre eles:
  1. Desinenciais (fazem a flexão com o acréscimo de uma desinência de gênero): aluno, aluna / czar, czarina.
    1. Heteronímicos (possuem outro vocábulo para fazer a distinção): homem, mulher / boi, vaca.
  • Uniformes: são aqueles que apresentam uma única forma para ambos os gêneros. Nesse caso, eles estão divididos em:
    • Epicenos: usados para animais de ambos os sexos (macho e fêmea) – jacaré, mosca, cobra.
    • Comum de dois gêneros: aqueles que designam pessoas. Nesse caso, a distinção é feita por um elemento que fica ao lado do substantivo (artigo, pronome) – dentista (o, a), motorista (o, a).
    • Sobrecomuns – apresentam um só gênero gramatical para designar pessoas de ambos os sexos – o garfo, a vítima, a criança.

Em algumas situações, a mudança de gênero (com a mudança do gênero do artigo) altera também o sentido do substantivo:

–  O cobra (perito em algo) / A cobra (animal).

– O caixa (função financeira) / A caixa (recipiente)


O número dos substantivos

Essa tabela resume as principais regras de formação do plural nos substantivos.

TerminaçãoVariaçãoExemplo
Vogal ou ditongoAcréscimo do ‘s’carro – carros
MNSpajem – pajens
ÃO (primeiro caso)ÕESPatrão – patrões
ÃO (segundo caso)ÃESCão – cães
ÃO (terceiro caso)SCidadão – cidadãos
RESColher – colheres
ZESGiz – gizes
NESAbdômen – abdômenes
S (oxítonos)ESMarquês – marqueses
AL, EL, OL, ULISVaral – varais
IL (oxítonos)SCanil – canis
IL (paroxítonos)EISMíssil – mísseis
ZINHO, ZITOSMulherzinha – mulherzinhas

Apesar disso, há alguns substantivos são grafados apenas no plural:

  • alvíssaras;
  • anais;
  • antolhos;
  • arredores;
  • belas-artes;
  • calendas;
  • cãs;
  • condolências;
  • esponsais;
  • exéquias;
  • fastos;
  • férias;
  • fezes;
  • núpcias;
  • óculos;
  • pêsames;

O Grau do substantivo

Normal / Aumentativo / Diminutivo

  • analítico: quando se associam os adjetivos ao substantivo. Ex: casa grande, rapaz  pequeno;
  • sintético: quando se adiciona ao substantivo sufixos indicadores de grau. Ex: casarão, rapazito.

Sufixos indicadores de grau

  • aumentativos: -ázio, -orra, -ola, -az, -ão, -eirão, -alhão, -arão, -arrão, -zarrão;
  • diminutivos: -ito, -ulo-, -culo, -ote, -ola, -im, -elho, -inho, -zinho (o sufixo -zinho é obrigatório, quando o substantivo terminar em vogal tônica ou ditongo: cafezinho, paizinho);

Semântica do grau:

– Com relação ao grau do substantivo, pode haver noções de:

  • Tamanho: bolinha, arvorezona.
  • Desprezo: “aquela pessoinha veio aqui”
  • Afinidade: “esse é o meu irmaozão”
  • Ironia: “temos um probleminha: falimos”

Como disse, não são muito incidentes as questões sobre substantivos. Esses conhecimentos já são suficientes para progredir no conteúdo.


[1] Convém, vez ou outra, ler tabelas de substantivos coletivos, a fim de ampliar o vocabulário.

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

Como é a estrutura do texto dissertativo?

Estrutura do texto dissertativo

A estrutura de um texto dissertativo é extremamente simples, porém essa simplicidade pode passar despercebida pelo candidato na hora da prova.

  1. Introdução: que deve conter a apresentação do tema. Deve ser simples e direta, de modo a evitar “enrolações”.
  2. Desenvolvimento: a parte substanciosa do texto, pois contém as explicações (no caso de expositivo) ou os argumentos (no caso de um argumentativo).
  3. Conclusão: a parte em que o texto deve retomar a introdução e reafirmar o que se discute nos parágrafos do desenvolvimento.


Introdução

Consiste nas boas-vindas do texto. A exigência da introdução é a clareza, ou seja, deve ficar evidente para o corretor do que o texto há de tratar. Não se deve confundir isso com mera cópia do tema, o que é proibido. Deve-se apresentar o assunto da redação e, se o texto exigir um posicionamento, que ele já apareça o início do texto.

Proibições da introdução

  • Iniciar com a mesma sentença do tema (cópia).
  • Iniciar o texto com pronome demonstrativo.
  • Escrever um parágrafo de “preparação”.
  • Iniciar o texto com a palavra “atualmente”.
  • Iniciar o texto com a expressão “No Brasil contemporâneo”.

Estratégias de introdução: A seguir algumas estratégias para auxiliar na composição da introdução de um texto.

  • Declaração:
    • “Não há como negar que o assunto relativo ao pleito eleitoral representa algo de relevante para a o cidadão brasileiro.”
  • Questionamento:
    • Existe um questionamento presente a cada eleição no Brasil: quais são os critérios para a escolha de um representante?
  • Relação de opostos:
    • Há dois pontos distintos bem claros na sociedade brasileira com relação à redução da maioridade penal: a defesa da não-consciência do resultado da ação por parte do indivíduo e a ideia de que a idade proposta já é suficiente para a maturidade.
  • Referência histórica:
    • O problema relativo à violência urbana não é de hoje. Desde o ano de XXXX, registra-se um índice de ocorrências que supera a expectativa para um país como o Brasil.
  • Palavra-chave:
    • Obsolescência. Ao que parece, esse é o termo que melhor resume a cultura na sociedade de consumo.


O desenvolvimento

O desenvolvimento é a parte mais importante do texto, pois é nele que os elementos de avaliação estarão em sua maior parte. Argumentos e explicações devem estar nessa parte, para que o corretor possa avaliar com mais precisão. É preciso lembrar que deve haver progressão no assunto, ou seja, não é possível falar apenas sobre um item do tema, é preciso desenvolvê-lo. Deve haver lógica no desenvolvimento da argumentação, observando o critério de não-repetição e não-contradição. A sugestão é que haja de dois a três parágrafos de desenvolvimento para um texto de até 30 linhas.

Estratégias de desenvolvimento

Veja algumas estratégias para desenvolver um texto dissertativo.

  • Relação de causa e consequência:
    • Como existe grande dificuldade de entender o que é uma plataforma política, a população fica sem referência na época das eleições. Isso faz com que a ideia de alheamento politico comece a se desenvolver mais fortemente, afinal, há uma tendência a repudiar aquilo que não se entende.
  • Enumeração de fatores.

Tema: Quais são as vantagens da utilização da tecnologia na educação em um contexto no qual é grande o número de analfabetos?

  • É preciso saber que há vantagens. Não se pode contradizer a proposta.
    • Tecnologia quebra barreiras espaciais de aprendizagem.
    • Pode haver auxílio no desenvolvimento de indivíduos com dificuldades cognitivas.
Padrão