Como aprender Língua Portuguesa

Como aprender Português?

Tomar-decisões

Parte 1: da preparação

1. Língua Portuguesa: de ponto fraco a arma de batalha.

 

Eu não conheço disciplina que seja maior alvo de reclamação do que
Língua Portuguesa. O sofrimento é constante, a reclamação é constante,
os erros são constantes e constante também e a frustração.
Você, se for concurseiro de longa data, já deve ter se deparado com
uma situação muito frequente: comprou uns dez cursos, viu diversos
estilos de aula, sentiu-se preparado; mas – na hora de resolver as
questões – ficou tão puto que quis jogar tudo para o alto e nunca mais
estudar. Pois é, já vi essa cena inúmeras vezes; já falei com inúmeros
alunos sobre isso: sempre o mesmo relato.
Isso nos leva à ideia de que a matéria de Língua Portuguesa tem se
tornado – ao longo dos anos – uma grande “pedra no sapato” dos
concurseiros. Trata-se de um fato com explicação para sua origem. Na
realidade, o cerne desses problemas está nos cursos de Letras em grande
parte do nosso país – afirmo isso por causa da minha formação. Uma das
frases mais comuns que se ouve nesses cursos é “Gramática é coisa do
passado, ninguém mais tem que saber esse tipo de coisa”. Com isso, os
professores que se formam lá – e que provavelmente lecionarão para
você e para seus filhos – internalizam esse tipo de conhecimento. Tempo
depois, caem na sala de aula e passam muito tempo tentando descobrir
o que ensinar; muitos apenas se dedicam a preencher o diário de classe.

O primeiro passo para você transformar sua dificuldade em sua
maior arma é entender que alguém já conseguiu fazer isso. Veja bem:
alguém já gabaritou uma prova de Língua Portuguesa, logo não há razão
alguma no mundo que torne isso impossível para você. Pense sempre
assim: se alguém já conseguiu fazer, eu também consigo!
Parece até que estou escrevendo um daqueles livros de autoajuda,
mas não é bem isso. Estou tentando mostrar que a perspectiva é
fundamental para conhecer o trabalho que se desdobra à sua frente.
Depois de seguir os passos do curso que ora está estudando, faça uma
avaliação das provas que resolveu: resolva novamente, comente as
questões, discuta com colegas a respeito dos assuntos. Será possível
identificar qual foi o ponto inicial da sua evolução. Uma questão a mais
já é uma vitória; um comando de questão cujo assunto você conseguiu
compreender já é um sinal de evolução.
É preciso insistir nesse trabalho até que você escolha resolver a prova
de Língua Portuguesa por primeiro no seu concurso. Ela deve ser o seu
instrumento para ganhar tempo na resolução, enquanto seus
concorrentes estão arrancando os cabelos na hora da prova. Na
realidade, os concorrentes têm apenas uma coisa mais do que você: eles
têm mais é que se lascar!

Inscreva-se no blog para continuar recebendo os posts constantemente!

Potencialize seus estudos! Venha para o Método Jamilk!

Padrão
Uncategorized

Morfologia – Pablo Jamilk

 

Portugues Sistematizado

Vamos falar um pouco hoje sobre Morfologia! Em uma sequência de posts de conteúdo!

A morfologia é a parte da língua que se preocupa com estrutura e com a classificação dos vocábulos. Afirmo para você, sem qualquer medo de errar, que essa é a parte mais importante do nosso estudo, pois é na Morfologia que toda a base da Língua Portuguesa está fundamentada. Digo para meus alunos constantemente: se você tem algum problema em Língua Portuguesa, certamente ele está na Morfologia.

Inicialmente, vamos estudar a parte relacionada à classificação dos termos, pois isso servirá de base para todos os outros conceitos dentro de nosso programa de estudo. Leia isso até sair sangue dos olhos, guerreiro!

 

1.1. As 10 classes de palavras

 

 

Segue uma pequena divisão de quais são as classes de palavras em nossa língua. Convém fazer uma tabela com esses elementos e trazê-los na ponta da língua:

 

  1. Artigo: termo que particulariza o sentido de um substantivo.

            Exemplos: o, a, um, uma.

 

  1. Adjetivo: termo que caracteriza, qualifica ou indica a origem de outro termo. Exemplos: verde, feio, francês, esperto, hábil.

 

  1. Advérbio: termo que imprime uma circunstância sobre um verbo, um adjetivo ou um advérbio.

Exemplos: mal, não, lentamente, hoje, ontem.

 

  1. Conjunção: termo de função conectiva, que exprime uma relação de sentido. Exemplos: e, mas, que, logo, embora.

 

  1. Interjeição: termo que indica estado emotivo momentâneo.

Exemplos: ai! ufa! eita! oh!

 

  1. Numeral: termo que indica quantidade, posição, multiplicação ou fração. Exemplos: dois, segundo, duplo, terço.

 

  1. Preposição: termo de função conetiva, que exprime uma relação de regência. Exemplos: de, com, para, em, por.

 

  1. Pronome: termo que substitui ou retoma algo no texto.

Exemplos: eu, cujo, lhe, alguém.

 

  1. Substantivo: termo que nomeia seres, conceitos ou ações na Língua.

Exemplos: fé, casa, livro, esquadra, fada.

 

  1. Verbo: termo que exprime ação, estado, mudança de estado ou fenômeno natural.

Exemplos: estudar, estar, ficar, nevar.

 

As classes mais importantes são: advérbios, conjunções, preposições, pronomes e verbos. Isso não quer dizer que você pode esquecer as demais. Quer dizer, apenas, que você deve centralizar seus estudos nas classes mencionadas.

 

1.2. Os grupos de palavras

 

Podemos agrupar as classes de palavras em grupos. Esses grupos auxiliam no entendimento de determinadas nomenclaturas. Por isso, é preciso entender sua divisão. Fazemos esse tipo de agrupamento para você entender qual é a relação usual entre os termos morfológicos.

 

  1. a) Nominal:
    • Substantivo
    • Adjetivo
    • Artigo
    • Pronome
    • Numeral
  1. b) Verbal:
    • Verbo
    • Advérbio
  1. c) Relacional:
    • Conjunção
    • Preposição

Percebeu que a interjeição não pertence a nenhum grupo de palavras? Pois é, a interjeição não costuma “se misturar” com o resto da galera. Por isso, ela não há de aparecer em um grupo de palavras.

Essa explicação que eu forneci anteriormente serve para localizar você com relação a um pouco da terminologia que usamos na gramática. Quando falamos de elementos nominais, são os do grupo nominal; quando pensamos em conectivos, estamos falando em termos relacionais. Deu para entender?

A partir de agora, trabalharemos especificamente com cada classe individualmente.

 

A lição deste post foi extraída da obra “Português Sistematizado”, de minha autoria, que você encontra no site do grupo GEN – por meio do link a seguir: https://www.grupogen.com.br/portugues-sistematizado

Padrão