Como aprender Língua Portuguesa

Classes de palavras: Artigo

Artigo

Artigo é a palavra que define ou indefine um substantivo, particularizando-o.

Classificação: os artigos podem ser:

Definidos: definem um referente na sentença. São eles: o, a, os, as.

Indefinidos: indefinem um referente na sentença. São eles: um, uma, uns, umas.

Emprego dos artigos:

a) Definição de termo:

Chamem o aluno. (Provavelmente, esse aluno já foi mencionado no texto)

b) Indefinição de termo:

Chamem um aluno. (Nesse caso, é indiferente o aluno. Provavelmente não fora mencionado na sentença)

c) Generalização de termo:

Aluno deve estudar. (Veja que o artigo não foi empregado, ou seja, fala-se a respeito de toda a categoria “aluno”)

d) Substantivar termo:

O cantar / Um não. (Perceba que, nesse caso, o artigo transformou as palavras “cantar” e “não” (verbo e advérbio) em substantivos. A esse processo, dá-se o nome de derivação imprópria).

e) Destaque de termo:

João é “o” médico. (Nessa sentença, faz-se um tipo de destaque, como fosse uma questão de ênfase do elemento que sucede o artigo)

f) Uso com o pronome “todo”:

  • Esse é um problema em todo país. (Conjunto dos países)
  • Esse é um problema em todo o país. (O país em sua totalidade)

Note a mudança de sentido proveniente do emprego do artigo.

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

O que são orações subordinadas adverbiais?

São as orações que desempenham a função de um adjunto adverbial na sentença. Sua característica fundamental, quando desenvolvidas, é que surgem introduzidas por uma conjunção subordinativa adverbial. Logo, a nomenclatura das orações fica condicionada à classificação semântica das conjunções. É importante atentar para o sentido das conjunções na sentença, pois costuma ser alvo de questões. Além disso, é importante observar o critério de mobilidade – possibilidade de deslocar a oração na sentença –, pois nesse caso há uma vírgula obrigatoriamente.


Comparação para facilitar o entendimento:

Período Simples:

        – Amanhã, venha estudar.

Período Composto:

        – Quando tiver tempo, venha estudar.


Classificação das orações: 9 tipos.

1 – Causal: exprimem sentido de causa. Suas principais conjunções são já que, porque, uma vez que, como etc.

Ex.: Já que estava preparado, resolveu a prova.

2 – Comparativa: exprimem ideia de comparação. Algumas conjunções são como, mais (do) que, menos (do) que.

Ex.: Executou a tarefa como um perito faria.

3 – Condicional: exprimem ideia de condição. Algumas conjunções são se, desde que, contanto que etc.

Ex.: Desde que haja garra, o cargo será seu.

4 – Conformativa: exprimem a ideia de conformidade. Algumas conjunções são conforme, segundo, consoante etc.

Ex.: Eu farei o teste segundo o professor recomendou.

5 – Consecutiva: exprimem a ideia de consequência. Algumas conjunções são tanto que, de modo que, de sorte que.

Ex.: O candidato estava tão preparado que gabaritou a prova.

6 – Concessiva: exprimem a ideia de concessão. Algumas conjunções são embora, ainda que, mesmo que etc.

Ex.: Embora haja muitos concorrentes, o cargo será meu!

7 – Final: exprimem ideia de finalidade. Algumas conjunções são para que, a fim de que, porque etc.

Ex.: Separou o tema, a fim de que pudesse estudar.

8 – Proporcional: exprimem ideia de proporção. Algumas conjunções são à medida que, à proporção que, ao passo que etc.

Ex.: Ganhava dinheiro, à medida que enganava os professores.

9 – Temporal: exprimem ideia de tempo. Algumas conjunções são sempre que, logo que, mal, assim que etc.

Ex.: Sempre que a vida parecer difícil, resista!

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

O que são termos acessórios da oração?

Os termos que são ditos acessórios servem para estender (ampliar) o sentido das expressões. Isso quer dizer que esses termos aumentam a informação relacionada a um referente. Vejamos quais são esses elementos.


1 – Adjunto Adnominal:

Trata-se do termo que particulariza o núcleo de uma expressão de caráter nominal. Usualmente, artigos, pronomes, adjetivos, locuções adjetivas e numerais desempenham a função de adjuntos adnominais.

  • Uma medida será necessária.
  • Duas posições foram criticadas.
  • A mulher do vizinho comprou minha casa.
  • Aquela questão fácil me salvou na prova.

Nota: é preciso, para não criar confusão, fazer uma distinção entre adjunto adnominal e complemento nominal.

  • A descoberta do remédio foi benéfica. (adjunto adnominal)
  • A descoberta do cientista foi benéfica.  (complemento nominal)

O adjunto adnominal surgirá como resultado da ação que o substantivo pode exprimir, como é o caso de “descoberta do remédio” – o remédio foi descoberto, ou seja, é o resultado da ação de “descobrir”.

O complemento nominal surgirá como o sujeito da ação que o substantivo pode exprimir, como é o caso de “descoberta do cientista” – o cientista descobriu algo, ou seja, é o sujeito da ação de “descobrir”.

2 – Adjunto adverbial

Trata-se do termo que imprime uma circunstância sobre verbo, adjetivo ou advérbio. Na verdade, adjunto adverbial é o nome sintático de um advérbio ou de uma locução adverbial.

  • Por medo, o homem ficou calado.
  • Na semana anterior, não houve aula.
  • Talvez ele faça parte do grupo.

3 – Aposto

Trata-se do termo que serve para explicar, resumir, especificar, enumerar ou distribuir um referente, com o qual estabeleça identificação semântica. Veja quais são os tipos de aposto.

1 . Explicativo. (Note que o aposto explicativo não possui verbo)

  • Graciliano Ramos, o autor de “Vidas Secas”, era nordestino.

2. Resumitivo.

  • AFO, Economia, Português, RLM, tudo ele gabaritou.

3. Especificativo.

  • O vereador Jucelino Doidivanas assinou a correspondência.

4. Enumerativo.

  • Há dois problemas para a produção de alimentos: o da seca e o das chuvas.

5. Distributivo.

  • Os comunicados vieram separadamente: o do concurso, primeiro; o do processo, depois.

6. Oracional.

  • Solicitei esta alteração: que ela não fosse a primeira da lista.
  • O pedido, que fizessem um curso específico, foi atendido.

4 – Vocativo

Trata-se de uma interpelação que indica com quem se fala. É o termo que indica quem é o interlocutor da sentença.

  • Senhor, traga suas credenciais!
  • Preste atenção, menina!

5 – Predicativo do Objeto

Trata-se da característica ou qualidade do objeto que foi atribuída pelo sujeito da sentença.

  • O povo achou a atitude incorreta.
  • O juiz considerou o réu culpado.

Finalizamos a sintaxe do período simples! Você pode perceber que, apesar de ser uma matéria muito intuitiva e fácil, exige muita atenção aos detalhes. Por isso, peço que você interrompa agora, reveja toda a matéria de sintaxe até aqui e, só então, caminhe para a sintaxe do período composto. Bons estudos! Força, guerreiro!

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

Preposição: o que eu preciso saber?

Preposição é um termo de natureza conectiva, que opera uma relação de sentido no segmento em que aparece. Distintamente das conjunções, as preposições são empregadas por uma exigência da sentença (quer gramaticalmente, quer semanticamente).

A preposição costuma ser empregada em função de uma exigência sintática, a qual recebe o nome de Regência. A depender da natureza da regência, a preposição pode indicar uma relação apenas de correção gramatical ou uma relação de manutenção de sentido.

Vejamos alguns exemplos:

  • Regência Verbal: As pessoas assistiram ao discurso sobre a preservação ambiental. (Empregamos a preposição “a” para demonstrar a relação presente entre o verbo e seu complemento. O verbo “assitir” empregado no sentido de “ver” deve receber a preposição “a”)
  • Regência Nominal: A habilidade com as palavras era seu forte. (A preposição “com” foi – por assim dizer – “convidada” pelo substantivo “habilidade”. Isso demonstra uma relação de Regência Nominal.)

Classificação das preposições

1 – Essenciais: são preposições por essência. É preciso decorar essa lista para que fique mais simples o estudo das preposições.

  • A, ante, até, após.
  • Com, contra.
  • De, desde.
  • Em, entre.
  • Para, per, por, perante,
  • Sem, sob, sobre,
  • Trás.

Semântica das preposições: é importante pensar sobre o sentido que podem assumir.

  • Eu lutei com Jonas. (Estávamos do mesmo lado)
  • Eu lutei contra Jonas. (Ele era meu inimigo)
  • Eu lutei sem Jonas. (Jonas não estava na luta não pense que essa frase significa que lutei sozinho, isso seria interpretar demais)
  • Eu lutei por Jonas. (Jonas foi a razão de minha luta)

2 – Acidentais: são palavras que não nasceram como preposição e, em dado momento, foram passaram a ser empregadas na função de preposições.

Exemplos:

  • Mediante
  • Salvo
  • Exceto
  • Menos
  • Fora
  • Tirante
  • Salvante
  • Segundo
  • Consoante

Em uso:

  • Ela fará, salvo engano, a prova amanhã.
  • Fora Maria, todas as meninas entraram na sala.
  • Segundo o autor, aquilo era um direito de todos.

Tabela de combinações

 Preposições (vertical) / Artigos (horizontal)oaosasumumaunsumas
aaoàaosàs
dedodadosdasdumdumadunsdumas
emnonanosnasnumnumanunsnumas
perpelopelapelospelas
porpolopolapolospolas

Locuções prepositivas: duas ou mais palavras reunidas que possuem a função de uma preposição, ou seja, função conectiva. Vejamos uma lista de locuções prepositivas.

À beira de, antes de, depois de, a fim de, a patir de, ao invés de, em vez de, de encontro a, ao encontro de, em frente de, a despeito de, à custa de.


Como isso cai na prova?

(CESPE) No fragmento III, no trecho “Cooper usou sua nova invenção para ligar para Joel Engel” (L.9-10), a preposição “para” expressa, em ambas as ocorrências, ideia de finalidade, introduzindo expressões adverbiais.

( ) Certo      ( ) Errado

Resposta: errado. No primeiro caso, a preposição é empregada com um sentido de finalidade; já, no segundo caso a visão que se tem é de “destinatário”.

Bem, não é só dessa maneira que o conteúdo relacionado às preposições pode aparecer. Também pode haver questões relacionadas à crase, ao emprego de pronomes relativos, das próprias conjunções. Cabe ao aluno ficar atento à exigência sintática da sentença (a Regência, propriamente falando).

Vejamos mais exemplos:

Questão de relevância na discussão dos efeitos adversos do uso indevido de drogas é a associação do tráfico de drogas ilícitas e dos crimes conexos — geralmente de caráter transnacional — com a criminalidade e a violência.

(CESPE) Nas linhas 12 e 13, o emprego da preposição “com”, em “com a criminalidade e a violência”, deve-se à regência do vocábulo “conexos”.

( ) Certo      ( ) Errado

Resposta: errado. O emprego da preposição se deve à regência do termo “associação”, que exige duplo complemento (associação DE algo COM algo). Essa é uma questão de Regência Nominal.

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa

Regras de Acentuação Gráfica

Vamos estudar as regras propriamente ditas. Atente para os casos e busque memorizá-los.

1 – Proparoxítonas: todas são acentuadas.

Ex.: Sádico, amazônico, hipócrita, médico.

2 – Paroxítonas:

Não são acentuadas as terminadas em:

  • A (S): fada, casas.
  • E (S): plebe, rudes.
  • O (S): carro, cigarros.
  • M / ENS: miragem / hifens.

Prefixos terminados em “i” ou “r”: semi / super

São acentuadas as terminadas em:

  • R: caráter.
  • N: hífen.
  • L: lavável.
  • X: tórax.
  • I(S): lápis.
  • Ã(S): ímã.
  • US: ônus.
  • UM (UNS): álbum.
  • OM (ON, ONS): iândom, prótons.
  • PS: bíceps.

DITONGO: fáceis.

3 – Oxítonas: são acentuadas as terminadas em:

  • A(S): será / marajá
  • E(S): filé / sopé
  • O(S): dominó / Caiapó
  • EM / ENS: amém / parabéns.

4 – Monossílabos tônicos: são acentuados os terminados em:

  • A(S): lá, má, dá, já.
  • E(S): pé, vê, ré, Zé.
  • O(S): dó, pó, só.

5 – Acentuação de Hiatos: “I” e “U” sozinhos ou seguidos de S:

  • Carnaúba / Saída / Egoísta / Balaústre

Obs.: não são acentuados nos seguintes casos:

  • – Seguidos de NH: rainha, bainha, tainha.
  • – Paroxítonos antecedidos de ditongo: feiura / Bocaiuva.
  • – i / u duplicados: xiita / vadiice / uuçango.

Obs. 2: iídiche / friíssimo. Esses termos possuem acento porque são proparoxítonos.

6 – Ditongos abertos: éu, éi, ói.

  1. Monossilábicos: véu, rói, dói, réis.
  2. Oxítonos: caracóis, pincéis, troféus.

7 – Formas Verbais com Hífen:

Deve-se tratar cada forma como se fosse uma palavra distinta.

  • Ex.: Contar-lhe. (Oxítona terminada em “r” e monossílabo átono)
  • Ex.: Sabê-la. (Oxítona terminada em “e” e monossílabo átono)
  • Ex.: Convidá-la-íamos. (Oxítona terminada em “a” e proparoxítona)

8 – Verbos “Ter” e “Vir”

Se empregados na terceira pessoa do singular (Presente do Indicativo): sem acento.

  • Ex.: O homem tem / o homem vem.

Se empregados na terceira pessoa do plural (Presente do Indicativo): com acento circunflexo.

  • Ex.: Os homens têm / os homens vêm.

9 – Verbos derivados de “Ter” e “Vir”

Se empregados na terceira pessoa do singular (Presente do Indicativo): com acento agudo.

  • Ex.: João mantém / o frasco contém.

Se empregados na terceira pessoa do plural (Presente do Indicativo): com acento circunflexo.

  • Ex.: Os homens mantém / os frascos contêm.

10 – Acentos diferenciais:

Permanecem:

  • Pôr (verbo) / Por (preposição)
  • Pôde (pretérito perfeito) / Pode (presente)
  • Fôrma (substantivo – recipiente) / Forma (verbo “formar” / substantivo – formato)[1]

Desaparecem[2]:

  • Pára – Para
  • Pêra – Pera
  • Pólo – Polo
  • Pêlo – Pelo

[1] Esse é um caso facultativo.

[2] Os acentos não são mais utilizados, mas as palavras ainda existem.

Padrão
Como aprender Língua Portuguesa, Uncategorized

Como usar a vírgula?

Regra de ouro

Fique atento para a regra fundamental de emprego da vírgula. Uma das mais cobradas em concursos.

Não se emprega vírgula entre:

  • Sujeito e verbo.
  • Verbo e objeto (na ordem direta da sentença).

Para facilitar a memorização dos casos de emprego da vírgula, lembre-se de que:

A vírgula é:

        Desloca

        Enumera

        Explica

        Enfatiza

        Isola

        Separa


Emprego da vírgula

Emprega-se para:

a) separar termos que possuem mesma função sintática no período:

  • João, Mariano, César e Pedro farão a prova. (Os termos separados são núcleos do sujeito, logo possuem a mesma função)
  • Li Goethe, Nietzsche, Montesquieu, Rousseau e Merleau-Ponty. (Os termo separados são núcleos do objeto direto).

b) isolar o vocativo:

– Força, guerreiro!

c) isolar o aposto explicativo:

  • José de Alencar, o autor de Lucíola, foi um romancista brasileiro.

d) mobilidade sintática:

  • Temeroso, Amadeu não ficou no salão. (Predicativo do sujeito deslocado)
  • Na semana anterior, ele foi convocado a depor. (Adjunto adverbial deslocado)
  • Por amar, ele cometeu crimes. (Oração subordinada adverbial causal reduzida de infinitivo deslocada)

e) separar expressões explicativas, conjunções e conectivos:

isto é, ou seja, por exemplo, além disso, pois, porém, mas, no entanto, assim, etc.

f) separar os nomes dos locais de datas:

  • Cascavel, 10 de março de 2012.

g) isolar orações adjetivas explicativas:

  • O Brasil, que busca uma equidade social, ainda sofre com a desigualdade.

Observação: atente para o fato de que a banca pode exigir a retirada de uma vírgula. Isso prejudicaria a correção gramatical, uma vez que haveria outra entre sujeito e verbo. Se a banca solicitar a retirada das duas, haverá mudança de sentido, mas não incorreção gramatical.

h) separar termos enumerativos:

  • O palestrante falou sobre fome, tristeza, desemprego e depressão.

Observação: veja que essa é a mesma regra que fala sobre separar termos de mesma função. Algumas bancas apenas mudam a descrição da regra.

i) omitir um termo (elipse verbal / zeugma):

  • Pedro estudava pela manhã; Mariana, à tarde.

Observação: a vírgula foi empregada para substituir o verbo “estudar”. Essa vírgula é chamada de vírgula vicária.

j) separar algumas orações coordenadas

        – Júlio usou suas estratégias, mas não venceu o desafio.

k) separar oração modal reduzida de gerúndio no período.

        – O país saiu da crise em que estava, modificando sua estratégia de desenvolvimento econômico.


Vírgula + E

Existem muitos mitos sobre o emprego da vírgula com o conectivo “e”. É preciso saber que há casos em que a vírgula será bem empregada. Como os posteriores:

  1. Para separar orações coordenadas com sujeitos distintos:
  • Minha professora entrou na sala, e os colegas começaram a rir.

2) Polissíndeto (repetição poposital de conjunções):

  • Luta, e luta, e luta, e luta, e luta: é um filho da pátria.

3) Conectivo “e” com o valor semântico de “mas”:

  • Os alunos não estudaram, e passaram na prova.

4) Para enfatizar o elemento posterior:

  • A menina lhe deu um fora, e ainda o ofendeu.

Como isso cai em prova?

O respeito às diferentes manifestações culturais é fundamental, ainda mais em um país como o Brasil, que apresenta tradições e costumes muito variados em todo o seu território. Essa diversidade é valorizada e preservada por ações da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID), criada em 2003 e ligada ao Ministério da Cultura.

(CESPE) A retirada da vírgula após “Brasil” manteria a correção gramatical e os sentidos do texto, visto que, nesse caso, o emprego desse sinal de pontuação é facultativo.

Resposta: Errado. Comentário: a vírgula que sucede a palavra “Brasil” serve para introduzir uma oração subordinada adjetiva explicativa. Sua retirada transforma a sentença em uma oração subordinada adjetiva restritiva, além da função sintática, o sentido também será alterado.


(ESAF) Assinale a opção que justifica corretamente o emprego de vírgulas no trecho abaixo.

É neste admirável e desconcertante mundo novo que se encontram os desafios da modernidade, a mudança de paradigmas culturais, a substituição de atividades profissionais, as transformações em diversas áreas do conhecimento e os contrastes cada vez mais acentuados entre as gerações de seres humanos.

(Adaptado de Zero Hora (RS), 31/12/2013)


As vírgulas

 a) isolam elementos de mesma função sintática componentes de uma enumeração.

 b) separam termos que funcionam como apostos.

 c) isolam adjuntos adverbiais deslocados de sua posição tradicional.

 d) separam orações coordenadas assindéticas.

 e) isolam orações intercaladas na oração principal.

Resposta: A. Comentário: as vígulas da sentença separam uma enumeração que compõe o sujeito composto do verbo “encontrar”, que está na voz passiva. Todos eles fazem parte de uma enumeração, componente do sujeito.

Após estudar a vírgula, já é possível passar ao estudo dos demais sinais principalmente cobrados nas provas de concurso.

Padrão