O porquê das coisas!

 Guerreiros,
 Hoje vamos falar sobre um assunto interessante: o uso dos porquês! Tenho certeza de que você já viu uma série de dicas sobre como utilizar tais termos. Um é o da resposta, outro é o da pergunta e blá, blá, blá! Deixe de frescura! Você precisa aprender como analisar esses elementos morfologicamente! Assim você garante que vai acertar as questões. Vamos à teoria: 
1 – PORQUÊ (assim juntinho e com acento): esse cara é um substantivo, ou seja, antes dele você vai encontrar numerais, artigos, pronomes ou qualquer tipo de determinante. Veja um exemplo:
 Ex.: Eu sei o porquê de você fazer isso! (Veja que rola uma preposição ali!)
 Ex.: Os meus porquês são particulares! 
 Ex.: Enfie esse porquê naquele lugar!
2 – POR QUÊ (separado e com acento):  nesse caso, temos uma preposição (por) e um substantivo (quê – sim, quando ele tiver acento, será um substantivo). Usualmente, você há de encontrá-lo quando ele estiver se escorando em um sinal de pontuação. Aliás, mesmo que a preposição não seja “por”, o acento no “quê” ainda vai rolar.
 Ex.: Você está me olhando por quê?
 Ex.: Joana sente falta de quê?
3 – POR QUE (separado e sem acento): podemos ter dois casos. Em um, a classificação será de LOCUÇÃO ADVERBIAL DE INTERROGAÇÃO (essencialmente falando, essa locução se forma com uma preposição que acompanha um pronome interrogativo). Em outro, a classificação será de PREPOSIÇÃO + PRONOME RELATIVO. Vejamos:
 Caso 1:  
   – Por que Mariana não veio para a aula hoje?
   – Gostaria de saber por que você está falando essas besteiras. 
Caso 2: 
  – O motivo por que ela brigou com o chefe ninguém sabe. 
  – A janela por que foi jogado o copo é a da esquerda. 
4 – PORQUE (junto e sem acento): aqui temos três casos, essencialmente. A classificação pode ser: 
 – Conjunção Coordenativa Explicativa: 
     Traga um copo com água, porque a menina se engasgou. 
 – Conjunção Subordinativa Adverbial Causal:
     Porque eu não estudei, levei o maior ferro do mundo naquela prova. 
 – Conjunção Subordinativa Adverbial Final (com o sentido de “para que”):
     Reze porque o transporte chegue a tempo. 
Vamos ver como isso aparece em uma questão? Veja este exemplo retirado da banca CESGRANRIO: 
A expressão em destaque está grafada de acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa em:

  • a) A internet, tal como a conhecemos, aberta, livre e democrática, é um fenômeno sem igual porquê é incontrolável.
  • b) As melhores universidades do mundo abrem as portas da excelência porque oferecem na rede cursos inteiros de graça.
  • c) Os professores que pesquisam os cursos a distância explicaram o por quê do sucesso atual da educação via internet.
  • d) Os cursos na internet começam a ter peso fora do mundo virtual por que várias instituições começaram a aceitar créditos conquistados on-line.
  • e) Porque a revolução da educação on-line de alto nível já se tornou, de fato, uma realidade em todo o mundo?
Resposta: B
Comentário: 
a) Deveria ser “porque” – uma conjunção subordinativa adverbial causal.
b) Correta – é uma conjunção subordinativa adverbial causal.
c) Deveria ser “porquê” – substantivo, pois está determinado pelo artigo “o”.
d) Deveria ser “porque” – uma conjunção subordinativa adverbial causal.
e) Deveria ser “Por que” – uma locução adverbial interrogativa. 
  Deixei de lado as especulações a respeito das derivações impróprias que as palavras podem ter. Espero que essa breve explicação possa ajudar vocês!
FORÇA, GUERREIROS!
Anúncios

15 comentários em “O porquê das coisas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s